Mensagem da Candidata

Estes dias desafiaram-me a refletir sobre o que era a Psicologia para mim. Surpreendi-me ao constatar que a minha paixão pela Psicologia não é mais forte do que o meu interesse por outras ciências como a Sociologia e a Antropologia, a História e a Biologia ou pela Arte. Vejo, com o mesmo entusiasmo, um programa sobre desenvolvimento infantil, uma tribo perdida da Nova Zelândia ou sobre a revolução francesa. Se me sento à frente da televisão é muito provavelmente para ver um documentário sobre as florestas da Costa Rica ou sobre a grande barreira de coral. Leio com o mesmo entusiasmo um artigo sobre a Fisiologia do amor ou sobre maus tratos para com as crianças.

No entanto, se há coisa que quem me conhece nunca dirá de mim é que não sou apaixonada pelo meu trabalho. Ser Psicóloga faz parte da minha identidade pessoal! Faz parte do que sou e de quem sou! O que sou resulta de me ter cruzado com pessoas que foram marcantes na minha vida, daquilo que me mostraram, do que me ensinaram e do que me fizeram compreender. Por isso, não vou falar de Psicologia mas de “ser Psicólog@”.

Soube que queria ser Psicóloga quando, nos finais dos anos 80, vi uma jovem psicóloga numa das primeiras rúbricas do género que passou na televisão. Falava do comportamento infantil e daquilo que agora chamamos parentalidade com uma paixão que não me permitia desviar os olhos nem por um segundo. Naquele momento soube o que queria fazer para o resto da minha vida: queria falar do meu trabalho com o mesmo brilho e convicção.

Na faculdade cruzei-me com outros Psis com a mesma chama e deles bebi o significado de empatia e a arte da escuta ativa, o poder de uma relação terapêutica e a noção de que o nosso trabalho se baseia em provocar mudança, equilibrando desafio e apoio.

Formei-me e levei comigo o que aprendi para o consultório, para a escola e para a empresa, para as salas de formação e para as casas de acolhimento… Aí encontrei outros colegas e, em cada um destes sítios, por cada um deles, fui desafiada e apoiada… e cresci. Recebi tanto ou mais do que dei e multiplicou-se a vontade e necessidade de aprender.

Fiz pós-graduações, formações, workshops, mestrado e doutoramento e por todo o lado encontrei Psicólog@s que alimentaram o meu amor pela profissão. Os meus pacientes, formandos, supervisionados, orientandos e alunos fizeram-me sentir o sabor doce de ajudar cada um/a a encontrar-se e a realizar os seus sonhos. Daí o meu imenso e permanente orgulho em ser Psicólog@.

Acredito que @ Psicólog@ é, em qualquer contexto onde trabalhe, um agente do respeito pelos direitos dos indivíduos e da sociedade. Como decorre do nosso código deontológico, @ Psicólog@ tem a obrigação de respeitar, não só o direito à diferença, mas também cada pessoa como única. Tal exige de nós, enquanto profissionais e enquanto pessoas, a capacidade de não ignorar o desrespeito pelos direitos humanos e de zelar pela sua defesa e promoção, em particular os direitos dos mais vulneráveis e desfavorecidos, enraizando a nossa ação quotidiana em valores como a igualdade e a solidariedade, a justiça social e ambiental e a democracia.

Nos últimos meses, tod@s @s psi foram obrigados a encarar um novo desafio e mais uma vez soubemos adaptar-nos, unir-nos e aprender uns com os outros e ajudar o nosso país. No entanto, precisamos de ir mais longe. Esta pandemia, exatamente pela dimensão que assumiu nas vidas de toda a gente, pelo sofrimento e necessidade de mudança de comportamentos que acarreta, pelo isolamento e distanciamento físico a que tem obrigado, pela ansiedade face ao desconhecido, pela incerteza, pelo medo, pelas perdas que gerou, terá consequências gigantescas e duradouras na saúde mental de um largo número de pessoas.

Nós, Psicólog@s, sabemos que qualquer crise é também uma oportunidade de crescimento e de mudança. @s Psicólog@s são os profissionais que estudam o comportamento e os processos mentais. Quem melhor do que nós pode, então, ajudar cada indivíduo e, desse modo, também a sociedade, a lidar com todas estas alterações, a conseguir ver os aspetos positivos destas mudanças e a encontrar novas formas de vivermos em comunidade, preservando o nosso bem-estar presente e futuro?

A adaptação ao trabalho on-line abriu um mar de possibilidades do qual @s Psicólog@s podem e devem aproveitar. As consultas à distância vieram para ficar mas também o trabalho colaborativo com recurso à internet, seja através de plataformas de reunião ou recorrendo a outras ferramentas que permitem o acesso remoto por vários utilizadores. Abrem perspetivas, criam oportunidades, transformam e alargam o trabalho em equipa, anulam distâncias e facilitam a gestão do tempo. O trabalho d@ psicólog@ encontrou novos horizontes no mundo digital que não podem deixar de ser desbravados.

Enquanto classe, precisamos de nos unir e de sermos mais solidários, de encontrar formas de nos desenvolvermos em conjunto e de nos apoiarmos mutuamente e de valorizarmos o nosso trabalho para o ver valorizado. Temos que garantir a cada jovem Psicólog@ a possibilidade de olhar esta profissão com a mesma paixão que eu sinto e que nós pudemos experimentar e, com el@s, sair deste tempo de mudança e estranheza renovad@s e reinventad@s. É tempo de sermos Psicólog@s pel@s Psicólog@s.

© 2020 - Psicólog@s Pel@s Psicólog@s

A Lista A - Psiclog@s pel@s Psiclog@s (liderada pela candidata Snia Rodrigues) a Alternativa necessria Lista B - Mobilizar os Psiclogos (liderada pelo atual Bastonrio Francisco Rodrigues)

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close