Carta Aberta: Apelo ao Funcionamento Democrático das Assembleias da Ordem dos Psicólogos Portugueses

Carta Aberta: Apelo ao Funcionamento Democrático das Assembleias da Ordem dos Psicólogos Portugueses

Carta Aberta

Apelo ao Funcionamento Democrático das Assembleias da Ordem dos Psicólogos Portugueses 

O envolvimento dos psicólogos na vida da Ordem Profissional, não é apenas o garante de um melhor funcionamento da Ordem, como um garante da boa representação que a Ordem deve fazer de todos os seus profissionais.

Passadas as eleições e o período de parabenização aos vencedores, urge criar uma única equipa constituída por todos aqueles que diariamente representam a nossa profissão – todas e todos os psicólogos portugueses, com ou sem quotas pagas. Neste sentido, o conhecimento da vida interna da Ordem, em particular das suas delegações, permite não apenas uma auscultação do seu funcionamento, mas principalmente a criação de um espaço de livre de participação em que todas e todos os psicólogos sentem que são bem-vindos a um debate construtivo em torno da profissão.

Ora, aqui chegados, importa sensibilizar, que apesar das condicionantes do contexto pandémico que atravessamos, não são necessárias mais condicionantes, administrativas e injustificadas, que transformam um processo fluido, num processo com diversas barreiras logo à partida. Desta forma, sendo um direito dos membros das Delegações participarem livremente nas assembleias, é um dever das delegações garantir que essa participação pode ser feita exatamente nesses moldes. Se em contexto normal, basta o psicólogo comparecer à assembleia, porque é que em contexto online precisa de avisar antecipadamente? Basta a respetiva mesa enviar via e-mail o link para cada um dos psicólogos da delegação.

Por outro lado, o bom exercício democrático e a segurança que este deve oferecer, exige o cumprimento dos Estatutos, não se percebendo a ausência de discussão da eleição da mesa nas respetivas convocatórias e decisão unilateral de manter em funções um órgão que deixou de ter legitimidade após as eleições.  Mais estranho é, o facto de as assembleias serem agendadas com o intuito de discutir e votar o Relatório de Atividades e Contas de 2020 e em algumas delegações esse documento só ter sido enviado aos membros poucas horas antes da reunião, como aconteceu por exemplo na Delegação da Madeira e na Delegação do Centro. Mais bizarro, foi a tentativa de defender que os documentos a serem discutidos e votados nem precisavam de ser enviado, como ocorreu na Delegação do Centro.

Por tudo o que foi exposto, apelamos que de agora em diante, o mandato dos novos órgãos seja orientado de modo a garantir os direitos das Psicólogas e dos Psicólogos Portugueses, nomeadamente de livre participação, acesso atempado à informação e transparência.

Apelar a tudo isto é apelar à união das Psicólogas e dos Psicólogos pelo seu envolvimento na Ordem.

© 2020 - Psicólog@s Pel@s Psicólog@s

A Lista A - Psiclog@s pel@s Psiclog@s (liderada pela candidata Snia Rodrigues) a Alternativa necessria Lista B - Mobilizar os Psiclogos (liderada pelo atual Bastonrio Francisco Rodrigues)

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close