Artigo de Opinião, “A OPP precisa de uma Bastonária, não de um CEO”, por Vítor Alexandre Coelho e Vanda Sousa

Artigo de Opinião, “A OPP precisa de uma Bastonária, não de um CEO”, por Vítor Alexandre Coelho e Vanda Sousa

A OPP precisa de uma Bastonária, não de um CEO

Até parece estranho ter de afirmar isto, mas não o é. Um CEO é o cargo que está no topo da hierarquia operacional de uma empresa e que possui a responsabilidade de executar as diretrizes propostas pelo Conselho de Administração. Este Conselho, por regra, é composto por representantes dos acionistas da empresa. Ou seja, um CEO provém de um contexto empresarial, que pressupõe acionistas. A Ordem dos Psicólogos Portugueses não tem acionistas, tem membros. E, pasme-se apesar da OPP, nos seus Estatutos não prever nem reconhecer a existência de tal cargo, o atual Bastonário intitula-se CEO da OPP. E, na verdade, isso traduz corretamente a sua relação com os membros da OPP.

Num sistema empresarial, o CEO está lá para garantir os interesses da maioria (ou de grupos de acionistas) e isso explica bem a energia com que a OPP persegue os colegas que não conseguem pagar as suas quotas. E faz sentido, um CEO acharia normal atiçar a Autoridade Tributária para cima de colegas que, muitos deles contraíram dívidas em 2011 e 2012, altura em que a OPP ainda não tinha um processo que permitia a suspensão de cédula e que os serviços informavam as pessoas que o que tinham a fazer era parar de pagar quotas e esperar por uma suspensão automática (que nunca chegou). Já um(a) Bastonári@ deveria ponderar outros fatores.

Será também esta lógica empresarial que levou o atual Bastonário, quando confrontado no 1º debate entre candidatos às presentes eleições à OPP com as ações da candidata a Bastonária da Lista A – Psicólog@s pel@s Psicólog@s (em conjunto com vári@s outr@s psicólog@s) na defesa dos direitos das crianças institucionalizadas após a pandemia, a declarar que também a OPP tinha feito a sua parte, porque tinha enviado um ofício…

É provavelmente esta mentalidade de CEO que leva o atual Bastonário a afirmar coisas que para o comum d@s psicólog@s parecem estranhas, como que o seu salário de mais de 6100€ por mês (um salário superior ao do 1º ministro de Portugal), é aceitável e que “apenas leva 3200€” para casa por mês, como afirmou no debate. Afinal, como ele afirma, o seu salário dignifica a profissão e a classe d@s psicólog@s. Também a sede, que custou mais de 3Milhões de Euros (2,2 Milhões de Euros pela aquisição + 500.000€ pela solução financeira e mais de 600.000€ em obras para permitir a sua abertura) tinha de ser assim, porque dignifica a profissão. Curiosamente, quando fala na Linha SNS24, a bitola do CEO muda e diz que os psicólogos têm de se sujeitar às condições do mercado e que receber 2,5€/chamada ou 7€/hora é uma pena, mas pronto é melhor que nada…

Creio que pensar no atual Bastonário como o CEO da OPP nos ajuda realmente a perceber o que se passa na OPP atualmente. Mas se refletirmos um pouco sobre o destino dos grandes CEOs das últimas décadas em Portugal, teremos de achar que talvez não seja este o modelo que queremos para @s Psicólog@s Portugueses. Afinal onde andam atualmente Ricardo Salgado? Zeinal Bava? Jardim Gonçalves? Na verdade, creio que se refletirmos mais profundamente sobre o que necessita a OPP no presente momento chegaremos à conclusão de que não é do motor de uma complexa engrenagem mas de um coração que bata num peito humano.

Vítor Alexandre Coelho e Vanda Sousa
Candidatos à Assembleia de Representantes pela Região Sul

© 2020 - Psicólog@s Pel@s Psicólog@s

A Lista A - Psiclog@s pel@s Psiclog@s (liderada pela candidata Snia Rodrigues) a Alternativa necessria Lista B - Mobilizar os Psiclogos (liderada pelo atual Bastonrio Francisco Rodrigues)

Ao navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close